A nova “droga”

14/03/2017

Alexandra Elliott, uma estudante do ensino médio, diz que ela é um usuário de telefone pesado e que usá-lo para as mídias sociais “realmente se sente bem.” Crédito Jason Henry para The New York Times

Os adolescentes estão substituindo drogas por celulares? Este é o título de uma reportagem publicada pelo NY Times em 13/3,  mostra que os adolescentes americanos estão cada vez menos propensos a usar drogas, incluindo o álcool. A tendência vem se confirmando há uma década, sem compreensão clara do fenômeno. Alguns especialistas, segundo o texto, teorizam que tem a ver com a queda do tabagismo – que era uma entrada para as drogas –  ou que as campanhas de educação antidrogas, que há muito tempo fracassaram, finalmente fizeram efeito.

Mas outros pesquisadores estão começando a refletir sobre uma outra questão intrigante: os adolescentes estariam usando  menos drogas em parte porque são constantemente estimulados e entretidos por seus computadores e telefones? O uso de smartphones e tablets explodiu durante o mesmo período em que o uso de drogas diminuiu. Esta correlação não significa que um fenômeno está causando o outro, mas os cientistas dizem que a mídia interativa parece jogar estímulos similares à experimentação de drogas. Ou pode ser que os dispositivos simplesmente absorvam um monte de tempo que poderia ser usado para outras atividades, incluindo festas.

Ouvida pelo jornal, a Dra. Nora Volkow , diretora do Instituto Nacional sobre o Abuso de Drogas, diz que planeja começar a pesquisa sobre o tema nos próximos meses, e convocará um grupo de estudiosos em abril para discuti-lo. A possibilidade de que os smartphones estejam contribuindo para o declínio no uso de drogas pelos adolescentes foi a primeira pergunta que ela se fez quando viu os resultados mais recentes da agência. A pesquisa ” Monitorando o Futuro “, um relatório anual financiado pelo governo que mede o uso de drogas por adolescentes, descobriu que o uso de drogas ilícitas do ano passado, além da maconha, estava no nível mais baixo nos 40 anos de história do projeto. O consumo de maconha diminuiu entre os mais jovens (menos de 16 anos) mesmo com a aceitação social aumentando.

Outra entrevistada, a doutora Silvia Martins, especialista em abuso de substâncias na Universidade de Columbia, já está explorando  a relação entre internet e uso de drogas entre adolescentes e classificou a teoria de altamente plausível. “Jogando videogames, usando a mídia social, eles preenchem a necessidade de busca de sensações e a necessidade de buscar uma atividade nova”, disse Martins, mas acrescentou que a teoria ainda precisa ser provada.

Na verdade, existem teorias concorrentes e alguns dados confusos. Embora o uso de drogas tenha caído entre os jovens de 12 a 17 anos, não diminuiu entre os estudantes universitários, disse o Dr. Sion Kim Harris, co-diretor do Adolescent Substance Abuse Research  no Boston Children’s Hospital. Ele disse que não considerou o papel da tecnologia e não descartaria seus efeitos, mas tem esperança que o uso de drogas entre os adolescentes diminuiu porque as campanhas educativas e de prevenção estavam funcionando.

Melanie Clarke, 18, diz que ela raramente está sem o telefone. “Quando estou em casa, meu primeiro instinto é ir ao telefone”, disse ela. Crédito Kayana Szymczak para o New York Times

Dr. Joseph Lee, um psiquiatra em Minneapolis que trata adictos adolescentes na Fundação Hazelden Betty Ford, suspeita que o uso de drogas e até a experimentação tinha mudado porque a epidemia de opióides tinha exposto muitas mais pessoas e comunidades aos riscos mortais do vício, criando uma espécie de trauma.`

Explicações à parte, os pesquisadores expressaram a esperança unânime de que a tendência persista. Eles notaram que é crucial continuar os esforços para entender as razões para o declínio, bem como para desencorajar o uso de drogas.

“As pessoas estão usando os dispositivos como uma espécie de bomba de dopamina”, disse David Greenfield, professor clínico assistente de psiquiatria da Universidade da Escola de Connecticut de Medicina e fundador de um centro para tratar o vício em tecnologia e internet .

Alexandra Elliott, de 17 anos, estudante da George Washington High School em San Francisco, disse que usar seu celular para acessar as redes sociais a faz se sentir “realmente bem”. Ela se considera heavy user de celular que fuma maconha ocasionalmente. Mas não acha que os dois sejam excludentes. No entanto, segundo ela, o telefone é ótimo para as pessoas que em festas que não querem usar drogas a não se sentirem excluídas. Em vez de fumar no círculo de amigos, pode ficar sossegada teclando ou navegando na web.

Melanie Clarke, uma jovem de 18 anos que faz um ano de folga e trabalha em um Starbucks em Cape Cod, Massachusetts, acha que o seu celular substitui as drogas. “Quando estou em casa sozinho, meu primeiro instinto é ir para o telefone. Outras pessoas preferem usar maconha”, referindo-se a um dispositivo de fumar maconha.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.