Corona desafia Trump

30/01/2017

Na semana passada, a marca mexicana de cervejas Corona, a quinta mais consumida nos EUA, lançou um comercial com um recado direto ao presidente dos EUA, Donald Trump. Com referência direta ao slogan de campanha dele – Let’s Make America Great Again (vamos fazer a América grande de novo) – o novo filme da campanha Desfronteiriza-te lembra que a América é mais que os Estados Unidos. Além da diversidade cultural, o continente americano alcança os dois pólos do planeta.

O comercial ganhou o noticiário e mais de 5 milhões de visualizações mas, uma semana após seu lançamento, não está mais nos canais oficiais da marca. Provavelmente, uma postura mais cautelosa da holding Ambev/Inbev dona da indústria mexicana Modelo, que fabrica a Corona desde os anos 20.


A queda de braço entre Trump e Corona começou no início de novembro, algumas semanas antes das eleições. “Todos nós estamos irritados com a parede que o louco quer construir. Mas também devemos ficar zangados com as paredes que temos aqui que não nos permitem avançar”, diz o personagem principal, interpretado pelo ator Diego Luna. O Filme Desfronteriza-te (veja abaixo) propõe quebrar as barreiras de todo tipo. A peça, criada pela Leo Burnett, celebra o espírito nacional do México e pretende inspirar os espectadores de todas as idades.

Humor derrubando os muros

Talvez as ideias do presidente Donald Trump não tenham gerado o apoio e a adesão que ele gostaria. Depois de um começo complicado, com manifestações e deslizes sobre fatos alternativos, tem também de enfrentar a ironia que viraliza na internet.

O filme “MAMON (Monitor Against Mexicans Over Nationwide)” foi criado pela Aparato, uma produtora do Uruguai cuja missão é “mudar o mundo usando nossas armas geeky: cinematografia, efeitos visuais e CGI”. Seu lema é: “Tornar o mundo um lugar melhor, um pixel de cada vez.” Postado em outubro do ano passado, já tem mais de 4,5 milhões de visualizações.

O filme abaixo é mais recente, postado depois da posse de Trump. E brinca com um trecho do discurso inaugural, dizendo que “se os EUA estão em primeiro, a Holanda está em segundo lugar”. A brincadeira é do humorista Arjen Lubach, que tem um programa de notícias satírico. No Youtube, já tem mais de 8,3 milhões de visualizações e no Facebook, impressionantes 48 milhões de visualizações.

Para saber mais: é ruim para os negócios

Apenas um dia depois que Donald Trump foi eleito presidente, a empresa americana que distribui a Corona teve um mergulho de 7% no mercado de ações – e não se recuperou. Com graves repercussões para a Constellation ( STZ ), a maior empresa de cerveja importada em os EUA. Não é bem o muro, mas a ameaça de sobretaxar os produtos mexicanos – na quinta-feira passada, a Casa Branca anunciou um imposto de 20% sobre as importações – e a repactuação do Nafta (Tratado Norte-Americano de Livre Comércio formado por EUA, México e Canadá).

Se as medidas anunciadas por Trump se confirmarem, será grave para a  Constellation, que tem quase 100% de sua carteira de cerveja  importada do exterior. Em 2013, a Constellation pagou quase US $ 5 bilhões para adquirir os direitos exclusivos de importação de Corona e outras cervejas fabricadas pelo Grupo Modelo. O prejuízo, porém, vai além desta empresa.

Sobretaxar a cadeia produtiva do NAFTA e empresas como a Constellation ou as grandes montadoras, significa aumento de  preço para bens de consumo, dizem especialistas e executivos da indústria. As empresas americanas também se beneficiam da produção da Corona.

Fazendas no Meio-Oeste e Noroeste dos Estados Unidos são os principais produtores de cevada na América do Norte, e em 2015 o México foi o maior importador mundial de cevada dos EUA. Desde 2010, o México tem sido o maior importador mundial de lúpulo dos EUA ou segundo atrás do Reino Unido. E cerca de 40% do custo das cervejas mexicanas da empresa está vinculado a ingredientes, suprimentos e serviços de frete que vêm dos Estados Unidos. Perrysburg, fabricante de vidro com sede em Ohio Owens-Illinois ( OI.N ) formou uma joint venture com a Constellation para expandir uma fábrica de garrafas de vidro.

“Todo mundo iria perder, especialmente o consumidor, é tão simples”, disse Brandon Stallard, CEO da TPS Logistics, sediada em Troy, Michigan, que administra dezenas de milhares de embarques transfronteiriços para clientes diariamente.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.