Inimigo está vencendo

03/08/2017

Nós vivemos em uma época perigosa. Inimigos superpoderosos surgiram no Oceano Pacífico. Num território 5 vezes maior que a Coréia do Norte. E tem a maior ameaça química já conhecida. Sua agressiva expansão tem sido ignorada e os governos resistem em lhe aplicar sanções. Grandes empresas têm lucrado com isso. A batalha pelo Pacífico já foi perdida. Mas este é só o começo. Está expandindo suas fronteiras com resíduos plásticos que ameaçam todo o planeta. 

Apresentando o país mais novo e mais perigoso do mundo: Wasteland (terra do lixo). Uma coleção de resíduos plásticos reunido por correntes oceânicas.  Poucas pessoas sabem que existe. O alerta é da nova campanha da ONG Surfers Against Sewage. O inimigo – uma ilha de lixo plástico próxima ao Japão –  é maior e muito mais perigoso que um país pronto para a guerra, como a Coreia do Norte.

Além do filme para internet, a M&C Saatchi do Reino Unido criou anúncios que mostram o plástico como armas de alto poder de destruição.

Plástico na mesa do jantar

Entre 5 e 13 milhões de toneladas de plástico são jogadas nos oceanos todos os anos e acabam ingeridas por aves marinhas, peixes e outros organismos. Até 2050 o oceano conterá mais plástico do que peixe, de acordo com pesquisas da Fundação Ellen MacArthur. Os especialistas alertam que o plástico está chegando à cadeia alimentar humana.

Cientistas da Universidade de Ghent na Bélgica calcularam recentemente que as pessoas que comem frutos do mar ingerem até 11.000 pequenas peças de plástico todos os anos. Em agosto passado, os resultados de um estudo da Universidade de Plymouth relataram que o plástico foi encontrado em um terço dos peixes capturados no Reino Unido, incluindo o bacalhau, a arinca, a cavala e os mariscos. No ano passado, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos pediu pesquisas urgentes, citando crescente preocupação com a saúde humana e a segurança alimentar “dado o potencial de poluição microplástica em tecidos comestíveis de peixes comerciais”.

Em entrevista ao The Guardian,  Hugo Tagholm, do grupo de conservação e campanha da Marinha Surfers Against Sewage, disse que os números foram devastadores. “A crise de poluição plástica rivaliza com a ameaça das mudanças climáticas, pois polui todos os sistemas naturais e um número crescente de organismos no planeta Terra”, reforça. “A ciência atual mostra que os plásticos não podem ser facilmente assimilados na cadeia alimentar. Onde eles são ingeridos, eles carregam toxinas que funcionam no nosso jantar.”

A ONG Surfers Against Sewage está fazendo campanha para que um regime de depósito reembolsável seja introduzido no Reino Unido como forma de incentivar a reutilização. Tagholm acrescentou: “Embora a produção de plásticos descartáveis ​​tenha crescido drasticamente nos últimos 20 anos, os sistemas para conter, controlar, reutilizar e reciclar apenas não mantiveram o ritmo”.

No Reino Unido,  são usadas todos os dias 38,5 milhões de garrafas plásticas  – apenas um pouco mais da metade vão para a reciclagem, enquanto mais de 16 milhões são colocados em aterro, queimados ou vazam no meio ambiente e oceanos a cada dia. “A produção de plásticos deve ser duplicada nos próximos 20 anos e quadruplicar em 2050, então o tempo para agir é agora”, disse Tagholm.

Tem havido uma crescente preocupação com o impacto da poluição dos plásticos nos oceanos em todo o mundo. No mês passado, cientistas encontraram cerca de 18 toneladas de plástico em uma das ilhas mais remotas do mundo, um atol de corais desabitadas no Pacífico Sul .

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.