Tudo bem falar

18/04/2017

Na Grã-Bretanha, três ícones nacionais se juntaram para falar de suicídio e saúde mental. Os duques de Cambridge – príncipe William e sua mulher, Kate Middleton – e o irmão, príncipe Harry em uma campanha nacional de sensibilização, a Heads Together. Lançada no mês passado, a iniciativa  ganhou hoje (18/4) uma madrinha de peso: a cantora norte-americana Lady Gaga, que fala abertamente sobre os seus problemas de saúde.

É cultural. Muita gente tem vergonha de falar saúde mental – embora 1 em 4 pessoas no mundo enfrentarão o problema em algum momento da vida – e buscar ajuda. Ou tomar remédio. Por isso, a  iniciativa Heads Together – que numa livre tradução seria Mentes Juntas – quer vencer o estigma da opinião pública em torno do tema. O trio real está aproveitando o status da realeza para mostrar que depressão, ansiedade, pensamentos suicidas são temas que podem afetar qualquer um. Esta semana, o príncipe Harry tornou pública as dificuldades e angústias que teve de lidar durante uma década por conta da morte da mãe, a princesa Diana.

O príncipe Harry e o duque e a duquesa de Cambridge recrutaram um rapper, um Royal Marine e um médico de trabalho para convencer o público de que ” a quebra do estigma da saúde mental começa com conversas simples”. O rapper Stephen Manderson, conhecido como Professor Green, e o comediante Ruby Wax juntaram-se a outras figuras públicas e indivíduos que sofreram doenças mentais para fazerem curtas-metragens para a campanha e falar abertamente sobre suas experiências de depressão, ansiedade E pensamentos suicidas.

Nos clipes, Alastair Campbell , ex-diretor de comunicação de Tony Blair em Downing Street, discute sua depressão e conta como ficou tão para baixo que socou o próprio rosto repetidamente. Em outro encontro, o ex-capitão de críquete da Inglaterra, Andrew Flintoff, disse a Manderson: “A coisa mais difícil para mim inicialmente foi falar. Eu não sou um grande falador. Eu sou do norte da Inglaterra. Eu sou de uma família da classe trabalhadora. Nós não falamos sobre nossos sentimentos. ”

A família real também divulgou uma enorme pesquisa sobre saúde mental, conduzido pelo instituto YouGov. O levantamento revelou que quase metade da população britânica teve algum problema de saúde mental nos últimos três meses. As mulheres são as mais propensas a falar sobre a questão do que os homens. Jovens adultos são quase duas vezes mais propensos a falar sobre seus problemas de saúde mental do que as pessoas com mais de 65 anos.

No entanto, uma pequena parcela dos 5.000 pesquisados ( 3%) disseram ter buscado apoio e apenas 2% conversou com alguém do departamento de recursos humanos no trabalho. Por outro lado, quase 12 milhões de trabalhadores tiveram de se afastar do trabalho por conta de  estresse, ansiedade e depressão, entre  2015 e 2016.

Masculinidade e suicídio

Em entrevista recente, o Duque de Cambridge falou de seu choque ao ser chamado para seu primeiro atendimento a suicídio, como piloto de ambulância aérea, em uma entrevista conjunta com seu irmão, o príncipe Harry , sobre o combate à masculinidade e problemas de saúde mental. “Meu primeiro chamado foi de um suicídio masculino e me disseram que havia cinco suicídios ou tentativas de suicídio todos os dias somente em East Anglia. Fiquei chocado”, contou. O suicídio é responsável pelo maior número de mortes de homens com menos de 45 anos no Reino Unido .

A entrevista com os príncipes faz parte de uma campanha para incentivar uma melhor comunicação sobre questões de saúde mental. Os príncipes disseram que esperam que as gerações futuras achem mais normal falar sobre suas emoções. “Queremos que George e Charlotte cresçam sentindo-se capazes de falar sobre suas emoções e sentimentos”, acrescentou William a respeito dos filhos.

O príncipe Harry, que serviu duas vezes no Afeganistão com o exército e que ativamente fez campanha para aumentar a conscientização sobre questões de saúde mental dentro das forças armadas, acredita que os progressos estão acontecendo. “Definitivamente houve um sentimento de orgulho extravagante que atrapalhou as pessoas da comunidade militar a falar sobre a sua saúde mental e a obter ajuda. Está mudando agora e estou orgulhoso de que isso faz parte da campanha Heads Together”, revelou. “Espero que, se os homens vêem soldados falando sobre saúde mental, vai dar-lhes a confiança para fazer o mesmo.”

Em uma entrevista ao Daily Telegraph publicada na segunda-feira, o príncipe refletiu sobre o impacto da morte de sua mãe e o tempo que levou para processá-lo. “[Pensei] que só vai deixar você triste, não vai trazê-la de volta”, disse ele. “Então, de um lado, eu pensava ‘nunca deixe suas emoções fazer parte de nada’. E então [eu] comecei a ter algumas conversas e de repente, todo esse sofrimento que eu nunca processei começou a vir à tona e eu estava tipo, há realmente um monte de coisas aqui que eu preciso lidar.”

Com informações do The Guardian.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.