Ameaças do tabaco

16/05/2017

A campanha do Dia Mundial Sem Tabaco, pela quarta vez criada pela nova/sb para a Organização Mundial de Saúde (OMS), será veiculada em mais de 200 países. Este ano, o foco são os problemas que o tabaco traz para todos os aspectos da vida humana. Da saúde ao desenvolvimento sustentável, os efeitos são desastrosos.

O slogan é: Dizer não ao tabaco protege a saúde, reduz a pobreza e promove o desenvolvimento. A imagem da campanha ilustra a capa da Tobacco Control editado pela British Medical Journal, uma das mais importantes publicações de saúde do mundo, especializada nos efeitos do tabaco. Confira o artigo traduzido abaixo.

Tabaco: uma ameaça ao desenvolvimento?

Por Ruth E Malone e Joshua S Yang

Publicado por Tobacco Control

Em consonância com o entendimento mais amplo de que o tabaco não é apenas uma ameaça para a saúde individual, mas para a causa da justiça social e ambiental, o tema do Dia Mundial Sem Tabaco deste ano é Tabaco: Uma ameaça ao desenvolvimento. Aqui é importante primeiro diferenciar o tipo de desenvolvimento que promove a saúde dos indivíduos, comunidades e ecossistemas versus o tipo de desenvolvimento que os explora e prejudica. O termo “desenvolvimento”, tal como tem sido usado historicamente nas ciências sociais, está cheio de ambiguidade e inconsistência.

Tradicionalmente, o termo geralmente inclui um elemento de maturação das economias e das indústrias econômicas para que as pessoas possam sair do setor não-salarial para setores salariais mais produtivos e prósperos. Com o tempo, o “desenvolvimento” foi ampliado para abordar o desenvolvimento humano , incluindo a saúde, a alfabetização, a democracia, os direitos humanos e outros domínios não econômicos. No entanto, a interpretação dominante, muitas vezes implícita, do “desenvolvimento” é o desenvolvimento econômico ou o desenvolvimento de sistemas econômicos para atingir os objetivos de desenvolvimento humano.

Embora a proporção da população mundial que vive na pobreza tenha diminuído desde 1990,com o neoliberalismo, o modelo dominante para prosseguir o crescimento econômico e o desenvolvimento desde a Década de 1970,  o ‘desenvolvimento’ resultou em aumento da desigualdade e uma consolidação da riqueza e do poder entre as elites econômicas e políticas.  Para as comunidades locais, o resultado é muitas vezes a exploração de recursos humanos e naturais e bens públicos e a exclusão dos benefícios do crescimento econômico.

Uma inclusão acrítica da saúde global em uma agenda de desenvolvimento também pode levar a uma excessiva dependência de princípios e ferramentas econômicas – como a promoção de escolhas individuais e mecanismos de mercado – para alcançar os objetivos de saúde. Ambos podem favorecer a agenda corporativa do chamado Big Tobacco¹.

O desenvolvimento “sustentável” foi definido como “desenvolvimento que promove prosperidade e oportunidades econômicas, maior bem-estar social e proteção do meio ambiente”.  De um modo geral, as pesquisas mostram que o negócio do tabaco não é simplesmente compatível com tal visão. Primeiro, o tabaco não promove a prosperidade generalizada. Enquanto os benefícios econômicos se acumulam para alguns, os encargos são distribuídos desproporcionalmente entre nações e grupos que já sofrem de taxas mais altas de doença, pobreza e fatores marginalizadores.

 Certamente, em algumas áreas, os subsídios governamentais e a capacidade de cultivo e beneficiamento dos produtores tornam uma safra lucrativa no mercado de tabaco para um pequeno número de agricultores.  Mas, em muitas regiões, os agricultores acumulam perdas líquidas devido à sua incapacidade de fixar preços justos. Por conta de sua necessidade de financiamento antecipado para comprar suprimentos e das vantagens que têm os grandes compradores que exercem controle sobre as cadeias de suprimentos.

O consumo de tabaco está associado ao aumento da pobreza e da insegurança alimentar, tanto entre os agricultores como entre os usuários, uma vez que as terras anteriormente cultivadas são convertidas em cultivo de tabaco e os fundos limitados são usados ​​para comprar produtos e aditivos para o tabaco em vez de alimentos.

Os usuários de tabaco são mais pobres do que os não usuários e mais propensos a reportar insegurança alimentar, mesmo em países mais ricos. Embora poucos estudos meçam o bem-estar social em relação ao tabaco, o bem-estar infantil é uma medida importante da saúde da sociedade. Apesar das várias iniciativas de “responsabilidade social corporativa” patrocinadas pelas empresas de tabaco, o tabaco continua a ser produzido com o trabalho infantil em condições inseguras. Em um estudo, maiores níveis de infelicidade familiar foram relatados por crianças em famílias onde o fumo ocorreu.  No aspecto individual, há evidências de que aqueles que não usam tabaco ou que pararam de usa-lo são mais felizes do que aqueles que continuam a fumar.

Finalmente, o tabaco é uma indústria ambientalmente destrutiva. Além do desmatamento para cultivo de tabaco e de sua maturação, uso pesado de pesticidas contribui para a poluição da água e do solo e degradação. Pesquisas recentes também chamaram a atenção para os potenciais efeitos negativos causados pelas bilhões de pontas de cigarro descartadas na vida marinha.

Incluir o controle do tabagismo como uma questão de desenvolvimento pode restaurar a humanidade na agenda de desenvolvimento, indo além de um foco unicamente no crescimento econômico. As evidências para o controle do tabagismo como um investimento importante no desenvolvimento são claras: os custos macroeconômicos do uso do tabaco podem ser evitados, a dor e o sofrimento das doenças relacionadas ao tabaco podem ser reduzidos e a relação entre o uso do tabaco e a pobreza pode ser quebrada.

Fortes medidas de controle do tabagismo podem ajudar a elevar o padrão de vida das famílias e comunidades e capacitá-las a realizar suas aspirações e potencialidades. Além disso, as medidas de controle do tabaco podem reforçar a importância de incorporar a atividade econômica dentro dos princípios de uma sociedade que valoriza a dignidade humana e serve o bem comum.  Os  poderosos interesses das entidades econômicas transnacionais não devem ser priorizadas em relação ao bem-estar geral, quer sejam empresas de tabaco ou outros atores, que exploram o público para fins privados. Eliminar a ameaça do tabaco através da implementação de medidas de controle do tabagismo ajudará os países a atingirem os objetivos de desenvolvimento sustentável.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.